domingo, 15 de janeiro de 2017

POLICIÁRIO 1328




DUAS INICIATIVAS VINDAS DO NORTE

Com o novo ano, novas iniciativas atravessam o nosso passatempo, abrindo perspectivas aos “detectives” para exercitarem as suas “células cinzentas”.
O confrade Inspector Boavida explica-nos e propõe-nos essas “viagens” no mundo do Policiário:

CONCURSO DE CONTOS
“UM CASO POLICIAL EM GAIA”

A secção O DESAFIO DOS ENIGMAS, orientada pelo Inspetor Boavida no quinzenário AUDIÊNCIA GRANDE PORTO, tem em preparação uma iniciativa que faz a ponte entre a literatura e o enigma policial, entre a produção e a decifração, entre o policial e o policiarismo.
O concurso tem como única obrigação temática o local da ação dos trabalhos, que deverão ocorrer em Gaia, concelho situado a sul da cidade do Porto, dele separado pelo rio Douro, muito procurado por turistas nacionais e estrangeiros pelas suas magníficas praias que se estendem ao longo de 18 quilómetros, pelas seculares Caves de Vinho do Porto e pela Reserva Natural Local do Estuário do Douro, entre outras grandes atrações, de que salientamos o majestático Mosteiro da Serra do Pilar e todo o seu Centro Histórico.
Para que os potenciais concorrentes não se inibam de deitar às mãos à escrita dos seus contos por não estarem identificados com aquelas paragens, o blogue LOCAL DO CRIME (localdocrime.blogspot.pt), que se assume como caixa-de-ressonância daquela secção, adianta algumas dicas que poderão ajudar a escolher o cenário das suas narrativas e, quem sabe, estimular a realização duma visita de reconhecimento, para além da publicação do regulamento do concurso, que passamos a transcrever:

1. O concurso é aberto a todos, sem condicionalismos de idade.
2. É vedada a participação de membros do júri ou seus familiares, podendo cada concorrente apresentar mais do que um original, desde que o faça utilizando pseudónimos diferentes. Os pseudónimos utilizados, bem com os textos, não poderão por qualquer forma levar à identificação do concorrente.
3. Os trabalhos, na modalidade de conto policial, em língua portuguesa, deverão ser apresentados impressos em páginas de formato A4.
4. Os contos terão como tema UM CASO POLICIAL EM GAIA e deverão ter obrigatoriamente um mínimo 4 páginas (não havendo limite máximo de páginas).
5. Cada trabalho, com o respetivo autor identificado apenas por um pseudónimo, deverá ser enviado por correio até ao último dia do mês de abril de 2017, num sobrescrito dentro do qual também deverá ser metido outro sobrescrito bem fechado, identificado por fora com o mesmo pseudónimo e contendo um papel onde se identifique o título do conto, o pseudónimo e a verdadeira identificação e o endereço do concorrente, número de telefone ou endereço de e-mail.
            6. A abertura dos sobrescritos contendo a identificação dos concorrentes premiados, só será efetuada após as decisões do júri.
7. Os trabalhos, nos moldes atrás descritos, deverão ser enviados para o seguinte endereço postal: AUDIÊNCIA GP / O Desafio dos Enigmas, rua do Mourato, 70-A – 9600-224 Ribeira Seca RG – São Miguel – Açores.
8. O júri será constituído por três personalidades de reconhecido mérito, a designar pelo orientador da secção O Desafio dos Enigmas.
9. Das decisões do júri não haverá recurso, ficando-lhe a competência de determinar, dependendo da quantidade e da qualidade e dos trabalhos, se deverão ou não ser atribuídos os prémios, no limite previsto de seis taças e seis menções honrosas, distribuídos por três classificações: a primeira, para todos os contos a concurso; a segunda, para aqueles que nunca tenham publicado qualquer conto; e, a terceira, destinada exclusivamente aos mais jovens.
10. Os nomes dos premiados serão anunciados até final de junho na secção O Desafio dos Enigmas do jornal AUDIÊNCIA Grande Porto.
11. Ao orientador da secção O Desafio dos Enigmas reserva-se o direito, dentro de um prazo de um ano após o anúncio dos vencedores, de promover a publicação de qualquer dos trabalhos concorrentes, sem pagamento de direitos autorais;
12. Os casos omissos serão resolvidos pelo orientador da secção O Desafio do Enigmas, não havendo recurso das decisões tomadas.


TORNEIO POLICIÁRIO - 2017
Damos, igualmente a conhecer o regulamento do Torneio Policiário - 2017, que arranca no primeiro número de Fevereiro. Para o efeito, foram convidados oito produtores que se prontificaram desde logo a colaborar com problemas de características tradicionais. Eis o regulamento:
 
1. O Torneio Policiário - 2017 é aberto a todos os leitores do AUDIÊNCIA Grande Porto, não necessitando de inscrição prévia;
2. O Torneio será constituído por oito problemas, que serão publicados mensalmente entre fevereiro e setembro de 2017;
3. As propostas de solução dos problemas deverão ser enviadas, impreterivelmente, até ao dia 10 do mês subsequente ao da sua publicação;
4. Cada solução será classificada entre 5 e 10 pontos, correspondendo 5 à simples presença e 10 à solução integral do enigma. As pontuações intermédias serão definidas de acordo com o grau de resolução;
5. Em cada problema, das soluções enviadas serão selecionadas, pelo orientador da secção, as três melhores, que somarão mais 5, 4 e 3 pontos;
6. Através da mesma forma estabelecida no ponto anterior, serão selecionadas as duas soluções mais originais, que somarão mais 2 e 1 pontos consoante a originalidade;
7. Será vencedor do Torneio o concorrente que no final acumule o maior número de pontos, sendo distinguido com o Troféu “AUDIÊNCIA Grande Porto”;
8. Os leitores posicionados nos quatro lugares subsequentes da classificação final serão distinguidos com as Taças “Sete de Espadas”, “Dic Roland”, “KO” e “Rip Kirby”;
9. Os classificados entre o sexto e o décimo lugar serão distinguidos com medalhas de participação;
10. Os casos omissos serão resolvidos pelo orientador da secção O Desafio do Enigmas, não havendo recurso das decisões tomadas.













terça-feira, 10 de janeiro de 2017

O MISTÉRIO DA SECÇÃO 1326

 CAROS CONFRADES:



ANDÁMOS A DIZER QUE A SECÇÃO 1326 FOI PUBLICADA EM 31/12/2016, MAS NÃO FOI VERDADE!
 
SÓ AGORA O CONFRADE PAULO NOS FEZ CHEGAR A INFORMAÇÃO DE QUE EM 31/12 NÃO HOUVE POLICIÁRIO PARA NINGUÉM!
 
DE MISTÉRIO EM MISTÉRIO, TUDO FICOU ESCLARECIDO:
 
A SECÇÃO 1326 FOI PUBLICADA NO DIA 30/12/2016, POR DECISÃO EDITORIAL!
 
AQUI FICA A DEVIDA CORRECÇÃO E, PARA QUE NINGUÉM FIQUE SEM A SECÇÃO, REPRODUZIMOS AQUI.
 
QUEM A QUISER DIGITALIZADA, É SÓ PEDIR!
 
AS NOSSAS DESCULPAS!

domingo, 8 de janeiro de 2017

POLICIÁRIO 1327




ADEUS A 2016… OLÁ A 2017!

Terminou com grande brilho a noite de passagem de ano, em que no blogue Crime Público foram desfilando, com o evoluir das horas, os melhores posicionados nas diversas classificações do ano de 2016.
Dois confrades brilharam a grande altura: DANIEL FALCÃO e M. CONSTANTINO/MÁRIO CAMPINO, que se sagraram campeões nacionais de decifração e produção, respectivamente.
Ao seu título de campeão nacional, o confrade Daniel Falcão juntou outros: Taça de Portugal, vencendo na final o confrade Inspector Aranha, Policiarista do Ano (Troféu Sete de Espadas), vencedor das melhores (Classificação Dic Roland), terminando 2016 no n.º 1 do Ranking “Público-Policiário” (Troféu Detective Misterioso).
Destaques, ainda, para a dupla Búfalos Associados, vencedora de produção na modalidade de problema de escolha múltipla e Inspector Gigas, vencedor das mais originais (Classificação Medvet).

Daniel Falcão foi, assim, o grande triunfador da noite e com uma época completamente demolidora, o confrade residente em Braga fez uma demonstração cabal de enorme qualidade, levando-nos a considerá-lo o melhor decifrador da actualidade e, seguramente, o melhor de todos os que conhecemos nos mais de 40 anos que levamos de Policiário!
A sua capacidade de interpretar um texto, desmontando-o e voltando a montá-lo, encaixando cada peça no exacto local onde faz falta, é notável e ficou bem patente ao longo de toda esta época.
Campeão Nacional de decifração, vencedor da Taça de Portugal, Policiarista do Ano, N.º 1 do Ranking Público-Policiário, 1.º classificado das Melhores, muito pouco ficou por conquistar, apenas a originalidade e a produção, de que terá abdicado.
Campeão Total, é o que nos apetece chamar-lhe neste momento de consagração.


REGULAMENTOS DAS COMPETIÇÕES 2017 (continuação)


TROFÉU SETE DE ESPADAS (POLICIARISTA DO ANO)


1.         O Policiarista do Ano é definido pelo somatório das pontuações obtidas ao longo da época, da seguinte forma: 2 pontos por cada um obtido no CN.

2.         Quando, numa prova, o número de acertantes (que obtiverem 10 pontos na parte I e 2 pontos na parte II)) for igual ou superior a 5 por cento, mas inferior a 10 por cento do total de participantes, todos eles receberão não os 24 pontos, mas sim 30. Se o número de acertantes for inferior a 5 por cento, mas igual ou superior a 2 concorrentes, cada um deles terá 35 pontos; se apenas houver um acertante, este receberá 40 pontos. Para estes cálculos não conta o autor do problema, que, no entanto, receberá os mesmos pontos.

3.         No final do CN, o vencedor receberá 100 pontos; o 2º, 90; o 3º, 85; o 4º, 80; o 5º, 75; o 6º, 70; o 7º, 69; o 8º, 68; e assim por diante até ao 75º que receberá 1 ponto.

4.         Em caso de igualdade na tabela classificativa do CN, serão somados os pontos de todos os concorrentes empatados e o seu somatório dividido pelo seu número, recebendo, assim, cada um deles, a média aritmética, arredondada sempre por excesso.

5.         Cada eliminatória da TP superada com êxito renderá 10 pontos. No final, o vencedor da TP receberá 20 pontos, o finalista vencido 10 e cada um dos semifinalistas, 5 pontos.

6.         Os prémios serão definidos posteriormente.

7.         Todos os casos omissos serão resolvidos de acordo com o estabelecido no último ponto do Regulamento do CN.


TROFÉU DET. MISTERIOSO (N.º 1 DO RANKING)

1.         As pontuações são exactamente iguais às do Policiarista do Ano, mas haverá uma pontuação que transita do ranking anterior, correspondente a 20 por cento, sempre arredondada por excesso.

2.         Os prémios serão definidos posteriormente.

3.         Todos os casos omissos serão resolvidos de acordo com o estabelecido no último ponto do Regulamento do CN.


E pronto.
De regulamentos para o ano de 2017, estamos conversados! É claro que os confrades mais atentos já notaram que não há referências ao campeonato nacional de produção, mas não se trata de esquecimento, como é óbvio.
Como já referimos em outras ocasiões, no ano em que festejamos 25 anos nas páginas do nosso PÚBLICO, queremos levar a cabo um torneio com as melhores produções dos melhores produtores! É o que iremos desenvolver de seguida:






COMPETIÇÃO COM OS MELHORES PRODUTORES


Era uma ideia que andava há muito em maturação e a que a aproximação de uma data que ficará registada na história de Policiário, por se concluírem 25 anos ininterruptos de Policiário no PÚBLICO, veio dar o impulso para avançar.
Trata-se de convocarmos os melhores produtores, aqueles que já foram campeões nacionais de produção ou obtiveram lugar de destaque ao longo destes anos e ainda estão em actividade, a produzirem dois desafios, um de características tradicionais e um de escolha múltipla.
Fica feito o convite aos seguintes “detectives”, que gostaríamos de ver integrar o torneio deste ano:
A.Raposo & Lena; Búfalos Associados; Daniel Falcão; Inspector Boavida; Inspector Fidalgo; M. Constantino; Paulo; Quaresma, Decifrador; Rigor Mortis; e Verbatim. 

Não se tratando de uma lista fechada, porque há sempre imponderáveis que surgem, impossibilidades de última hora, a circunstância de podermos contar com um lote de autores desta categoria, garantiria desde logo uma qualidade reconhecida às “bodas de prata” da nossa secção.

Nesse sentido, fica a o repto aos confrades, para que se pronunciem sobre o convite endereçado, para que possa haver um correcto planeamento da época competitiva que se iniciará já no próximo dia 5 de Fevereiro.


BOM ANO DE 2017!

Neste início de ano, vamos fazer votos de um excelente Ano Novo de 2017 para todos os nossos leitores, confrades e “detectives”, cheio de todas as coisas boas e, como é óbvio, repleto de Policiário! 





terça-feira, 3 de janeiro de 2017

C O N V I T E - C O N V O C A T Ó R I A

ÉPOCA DE 2017

A IDEIA DE UM CAMPEONATO ALUSIVO AOS 25 ANOS DE POLICIÁRIO NO PÚBLICO PASSA POR TERMOS PRODUÇÕES DE AUTORIA DOS CAMPEÕES NACIONAIS E DOS QUE MAIS SE DESTACARAM AO LONGO DESTES 25 ANOS!
NÃO SERÁ POSSÍVEL TERMOS DE TODOS! UNS PORQUE JÁ NOS DEIXARAM, OUTROS POR APENAS HAVER DEZ LUGARES DISPONÍVEIS!
LANÇAMOS O CONVITE A DEZ PRODUTORES, NA ESPERANÇA DE QUE ACEITEM O DESAFIO, SEM QUALQUER DESPRIMOR POR QUEM POSSA TER FICADO ESQUECIDO...
SÃO MERAS OPÇÕES!

CONVOCATÓRIA!
A.Raposo & Lena; Búfalos Associados; Daniel Falcão; Inspector Boavida; Inspector Fidalgo; M. Constantino; Paulo; Quaresma, Decifrador; Rigor Mortis; e Verbatim. 

domingo, 1 de janeiro de 2017

O CAMPEÃO DOS CAMPEÕES


DANIEL FALCÃO

Com uma época completamente demolidora, o confrade de Braga fez uma demonstração cabal da sua enorme qualidade, levando-nos a considerá-lo o melhor decifrador da actualidade e, seguramente, o melhor de todos os que conhecemos nos mais de 40 anos que levamos de Policiário!
A sua capacidade de interpretar um texto, desmontando-o e voltando a montá-lo, encaixando cada peça no exacto local onde faz falta, é notável e ficou bem patente ao longo de toda esta época.
Campeão Nacional de decifração, vencedor da Taça de Portugal, Policiarista do Ano, N.º 1 do Ranking Público-Policiário, 1.º classificado das Melhores, muito pouco ficou por conquistar, apenas a originalidade e a produção, de que terá abdicado.
Campeão Total, é o que nos apetece chamar-lhe neste momento de consagração.

E para que não haja qualquer dúvida sobre a sua prestação, vamos deixar aqui a solução que apresentou ao desafio de Mário Campino, ele que foi o grande campeão nacional de produção. Uma solução bem à medida da produção:

CAMPEONATO NACIONAL E TAÇA DE PORTUGAL 2016
PROVA Nº 10 (PARTE I)

COMO NA LENDA DE PILARZITO
Original de MÁRIO CAMPINO
Bisarma (subst. fem.) – Pessoa ou coisa de tamanho descomunal.
1. – O AVÔ PALALÓ DE REGRESSO A CASA
Estava-se nos alvores da Primavera, corria o mês de Março, tendo já ficado para trás as inevitáveis cheias invernis, em que o Tejo transborda afogando as veigas ribeirinhas.
Mas, quando o Avô Palaló se preparava para abandonar a Herdade das Ferrarias, tendo como destino a sua morada em Almeirim, foi surpreendido por uma inesperada borrasca que o forçou a passar mais uma noite na herdade. Nada que o preocupasse, pois aproveitou a oportunidade para cear com o Charneco e o Chico Figueiredo e dormir no casal.
Embora a noite tenha sido alagada pela chuva birrenta de lavar a terra e entranhar, o dia seguinte nasceu com o céu limpo e azul. Por isso, encetou, sem pressa, o seu regresso a casa.
Pelo caminho, observou que o Tejo, mais uma vez, retomara o seu leito, abandonando as veigas ribeirinhas para onde se estendera durante a noite. As terras alagadiças enxugavam naquela manhã primaveril.

Cavalo e cavaleiro, inseparáveis companheiros em muitas jornadas matinais, percorrem calmamente o caminho de regresso a casa, tantas vezes calcorreado. Passo a passo, sem comando, lá vai o cavalo.
Ao passarem pelo bebedoiro de pedra, na berma da estrada, observam a água límpida a verter pela encosta por um cano improvisado, acabando por cair numa pia e, a partir desta, prosseguir o seu caminho na direção da valeta.
Pouco à frente, já se avizinha a subida breve que os espera, cheia de curvas e ladeada por eucaliptos. Ultrapassada esta subida, eis que aparece alguma planura. O cavalo não resiste e dá um ligeiro trote, enquanto se aproximam das ruínas do Convento da Serra.
É neste preciso momento que o Avô Palaló recorda as circunstâncias históricas que deram origem à conhecida Lenda de Pilarzito, corria o século XVI e reinava El-Rei D. Manuel I, o Venturoso, décimo quarto rei de Portugal.
Entregue a estas memórias, o Avô Palaló aproxima-se da Casa da Pata. Em vez da habitual serenidade, repara num pequeno grupo de pessoas que rodeia o velho guarda-florestal.
Intrigado, decide fazer um curto desvio, para se inteirar sobre o que se passava. Saiu da estrada, abandonou a sua montada e juntou-se ao grupo.
2. – A LENDA DE PILARZITO
Maria do Pilar era uma bela e doce donzela, ainda nos seus quinze anos, filha do Garcia, proprietário da Taverna com o seu nome, que encantava os clientes com exuberantes danças castelhanas.
A sua vida seguia tranquila, e talvez tivesse uma vida longa, não tivesse deparado, entre os clientes da taverna, com o herdeiro ao trono de Portugal, o também jovem e príncipe D. João.
A perceção dos dois amigos do príncipe, o D’ Ataíde e o Luís Silveira, não estava errada. A única forma de superar a tristeza que afligia o príncipe, depois do seu pai El-Rei D. Manuel ter casado em terceiras núpcias com a sua prometida e já amada Leonor, só poderia passar com uma nova paixão.
Aquela noite em que o príncipe D. João e Pilarzita, como passou a ser amorosamente designada, cruzaram os seus olhos pela primeira vez, marcaria o início de um novo amor, apenas interrompido devido à intriga própria da época.

O príncipe D. João, depois daquela noite, não mais quis partilhar o encanto da sua Pilarzita. Para garantir que assim era, imediatamente providenciou, com a ajuda dos dois leais amigos, a recuperação de uma pequena casa à beira de um riacho, entre Almeirim e o Convento da Serra.
Foram contratados os melhores artífices da região, para embelezar e mobilar luxuosamente a casa onde Pilarzita passaria a residir na companhia de uma velha ama. Casa esta profusamente partilhada pelos dois jovens apaixonados.
O idílio teria sido, pelo menos, mais duradouro, não fora as intrigas do prior-mor do Convento da Serra, Frei Tomás de Santa Fé, confessor do príncipe, que teria feito chegar aos ouvidos de El-Rei o alegado sacrilégio.

Sobre o que aconteceu depois, são escassos os registos: Pilarzita apareceu afogada no riacho, da ama nunca mais se soube e até Frei Tomás teria sido mortalmente apunhalado quando seguia em direção a Santarém.
Os acontecimentos mantiveram-se e ainda se mantêm nebulosos.
O que se sabe é que o príncipe D. João, poucos anos depois foi entronizado como El-Rei D. João III, o Piedoso. Já a casa, cenário da tragédia, hoje conhecida como Casa da Pata, ruiu e, durante séculos, foi sucessivamente erguida e reconstruída, sendo mesmo utilizada para abrigo de quem por ali passava.
E assim nasceu a Lenda de Pilarzito…



3. – A D. ALDA FOI ENCONTRADA MORTA
De regresso à atualidade, o Avó Palaló rapidamente ficou a saber que o guarda-florestal, quando fazia a sua ronda normal e ao aproximar-se do riacho, deparou com o corpo de D. Alda, residente na Casa da Pata.
O velho guarda-florestal, ciente de como devia agir, correra até à Tasca do Toicinho, para dar a notícia e chamar a GNR. De seguida, imediatamente, regressara para junto do corpo, para o vigiar e garantir que ninguém lhe mexia.
Com ele, no regresso ao riacho, teriam seguido alguns habitantes locais, alguns daqueles que agora o rodeavam, para verem com os seus próprios olhos o que se passava. O velho guarda-florestal, diligente, mantinha-os a uma distância segura.
O diagnóstico popular fora célere, “aquilo era um crime”, diziam. Se há crime, tem de haver criminoso. Por isso, alguém se lembrara do Barata-Fino – amante oficial, forasteiro, bem-falante e vendedor de porta a porta –, pois teria sido visto passar na véspera.
O Avô Palaló tivera curiosidade em saber quem fora que referira o Barata-Fino. Afinal tinha sido a Zabel do Tó Pedreiro, roída de ciúmes, pois quem sabe se não teria sido o próprio Tó, também caído pela dama agora morta.

Mas quem era a D. Alda? Tratava-se de uma mulher, com trinta e tais anos, que aparecera na vila há cerca de dois anos.
Contrastando com as mulheres trigueiras do campo, D. Alda era uma mulher esbelta e bonita, mimosa de pele, além de inteligente. Pelo menos o suficiente para convencer a Marquesa de Alorna a regenerar a Casa da Pata, na altura abandonada, para sua morada.
Como mulher escaldante que era, rapidamente correu que teria relações íntimas com homens da vila, transformando-se num poço de ciúme para o mulherio.
Por fonte segura, sabia-se que recebia muitas visitas em sua casa para lhes “ler a sorte nas cartas” e contar a Lenda de Pilarzito.
4. – A OBSERVAÇÃO DO CORPO DE D. ALDA
As autoridades locais chegam junto do corpo: o cabo André e um subordinado, na companhia do dr. Godinho, para observar o estado do corpo. O “sabichão”, amigo de longa data destes, já lá estava. Que se inicie a investigação…
Tal como na Lenda de Pilarzito, a D. Alda estava caída no riacho, com a cabeça mergulhada de frente na água transparente. Embora, naquela zona, o riacho não tivesse mais de três palmos, a cabeça não chegava a tocar no fundo.
O corpo apresentava-se com os braços caídos para trás, descalço, podendo-se observar uns sapatos ao lado de um carrinho de mão.
De modo a permitir uma observação mais cuidada, por parte do médico, o corpo foi retirado do riacho e deitado de costas no chão.
O médico examinou a temperatura do corpo, observou a face congestionada de cor azulada, apalpou o nariz e os lábios, os quais se apresentavam macerados. Na nuca podia ser observada uma escoriação.
De acordo com esta rápida observação do exterior do corpo, o médico considerou que a morte poderia ter ocorrido nas últimas seis horas. Ainda assim, tinha a certeza que não foi por submersão.
Admitiu que a senhora poderia ter caído e batido com a cabeça numa pedra de lavar roupa, que estava mesmo ali ao lado, mas a pancada não seria suficiente para lhe provocar a morte.
O cabo André, tendo notado que a vítima tinha uma unha que fora partida recentemente, no anelar, chamou a atenção para o facto. Embora tenha sido procurada, na proximidade do corpo, a unha partida não fora encontrada.
5. – O AVÔ PALALÓ INVESTIGA
Enquanto o cabo André e o dr. Godinho discutiam aquilo que iam observando, o Avô Palaló escutava-os atentamente. Repentinamente, perguntou: “André, posso ir à casa de banho?” E, sem esperar resposta, contornou o espaço de areia em frente à casa e entrou.
O Avô Palaló já não entrava naquela casa desde que fora recuperada para habitação da D. Alda. Ficou agradavelmente surpreendido, pois tratava-se de uma casa ampla e limpa.
O quarto, resguardado por uma cortina, ficava ao fundo. Na parte da frente, para onde entrara, era a cozinha, onde se podia ver um fogão e um cesto com pedaços de madeira.
Observando o lado oposto, viu um sofá, cadeiras e uma mesa redonda com cartas dispostas lado a lado. Sobre estas, podia-se observar a metade superior da carta que representava a Papisa. Fora rasgada ao meio.
Descendo o seu olhar até ao chão, viu um pedaço de madeira e uma almofada, na qual encontrou, cravada, um pedaço de unha.
Satisfeito com o que encontrara, encaminhou-se em direção à porta. Foi nessa altura que encontrou a parte inferior da carta rasgada e que, sorrindo levemente, exclamou entre dentes: “Que mulher inteligente e imaginativa! Que incrível sangue frio diante da morte!

De regresso ao exterior da casa, enquanto observava a aproximação do cabo André, apercebeu-se que o dr. Godinho já se afastava para não voltar. Voltando-se a sua atenção para o cabo André, disse: “Tens aqui o pedaço de unha que retirei daquela almofada e uma mensagem neste bocado de carta.
Observando o ar confuso do André, demasiado habitual naquelas situações, o Avô Palaló rematou: “Vamos ver os rastos!” Lado a lado, mestre e ajudante, lá seguiram os rastos, desde a porta da casa até ao riacho, onde fora encontrado o corpo.
Após uma cuidada observação foi possível distinguir três rastos. Um primeiro rasto que parecia pertencer a um pé grande, que ficara gravado profundamente na areia, lavada pela chuva, mas mais profundo nos calcanhares.
Depois, um segundo rasto que parecia pertencer a um pé pequeno, marcado nitidamente no início da marcha e depois arrastado, que parecia esconder o primeiro rasto. Por fim, um terceiro que parecia ser um rasto da roda de um carrinho de mão que, tal como o segundo rasto, também parecia esconder o primeiro rasto.
Não havia dúvidas sobre o que estavam a observar, quer para o mestre, quer para o ajudante.

Satisfeitos com as conclusões a que chegaram depois da observação dos rastos e confirmado que o pedaço de unha partida coincidia com o que faltava no anelar da vítima, o Avô Palaló, olhando em frente, perguntou: “Não é a mulher do pedreiro?
Na margem oposta do riacho estava uma mulher que, assim que os viu, começou a afastar-se. Sem esperar pela resposta do cabo André, o Avô Palaló disse: “Vamos, quero falar-lhe.
A mulher, lamurienta, foi trazida até junto do Avô Palaló que, procurando acalmá-la, lhe disse: “Acalma-te, é só uma pergunta. Mataste a Alda?
Se a ideia era acalmar a mulher, a pergunta assustou-a ainda mais, caso estivesse já assustada, pelo que respondeu: “Credo home… Na abafi a bruxa robadeira dos homes das outras.” [Nós traduzimos: “Credo homem… Não abafei a bruxa ladra dos homens das outras.”)
A conversa continuou e, no final, o Avô Palaló voltou-se para o cabo André e disse-lhe: “Estamos falados. Vou para casa que é tempo. Agora é contigo e com o dr. Godinho.
Afastou-se, primeiro na direção do seu companheiro de viagem que o aguardava e, depois, caminhando a seu lado, seguiram na direção de Almeirim.
6. – A MORTE DE D. ALDA
O dr. Godinho fora perentório, D. Alda não morrera de submersão, ou seja, não morrera por afogamento. Admitiu, ainda, a possibilidade de ter caído e batido na pedra de lavar roupa. Mas, neste caso, a pancada não seria suficiente para a matar.
Ora, se ela tivesse caído e batido com a cabeça na pedra, sem ser fatal, ficando depois com a cabeça mergulhada na água, apresentaria todos os indícios de morte por submersão. O que, comprovadamente, não acontecia.
Além do mais, a queda provocar-lhe-ia mais que uma simples escoriação na nuca, porque seria muito pouco provável ter caído para trás. Neste caso, deveria apresentar escoriações noutras partes visíveis do corpo, como, por exemplo, no rosto. O que, também comprovadamente, não acontecia.
Sabemos que, em caso de submersão, os sinais externos seriam um maior arrefecimento da pele (“cutis anserina”), o designado “cogumelo de espuma”, a recobrir a boca e as fossas nasais, livores mais ténues que o habitual (livores róseos) e presença de corpos estranhos nas vias respiratórias (líquido, por exemplo). O que, mais uma vez comprovadamente, não acontecia.
A isto acresce que o congestionamento da face de cor azulada e a maceração dos lábios e do nariz não são compatíveis com a morte por afogamento ou por queda acidental.

Em contrapartida, a face congestionada de cor azulada e a maceração dos lábios e do nariz, apontam inequivocamente para outra causa de morte, precisamente para asfixia por sufocação.
Na asfixia por sufocação, contrariamente ao que acontece na submersão, no enforcamento e no estrangulamento não há qualquer imersão dos orifícios respiratórios num líquido, nem constrição do pescoço. Em vez disso, esta resulta da utilização de um obstáculo à entrada de ar, através das vias respiratórias, e que leva à morte.
A morte de D. Alda resultou de uma asfixia pura por sufocação direta, com obstrução da boca e das narinas, tendo sido utilizada a almofada encontrada pelo Avô Palaló
Entre os vários sinais externos deste tipo de asfixia, foi possível observar a maceração dos lábios e do nariz, devido ao forte aperto da almofada, e a face congestionada de cor azulada, ou seja, de cor cianosada.
A face dos asfixiados apresentam-se cianóticos em função da alta concentração de carboemoglobina e aparece quando o teor de hemoglobina não oxigenada no sangue atinge 5%.

Tal como (muito provavelmente) na Lenda de Pilarzito, o homicídio foi cometido dentro de casa e o corpo foi depois transportado até ao riacho, talvez para sugerir morte por submersão.
Tal como dissera o dr. Godinho, nada mais dizemos sem a autópsia. Mas o dr. Godinho ainda acrescentara que a morte teria ocorrido “nas últimas seis horas”.
Ou seja, e agora dizemos nós, a morte não teria ocorrido no final do dia anterior, que estaria a uma distância temporal superior a seis horas, mas já durante a madrugada ou mesmo pouco antes do dia nascer, dentro do período horário indicado.
7. – OS SUSPEITOS DA MORTE DA D. ALDA
Quem deverá ser considerado suspeito de ter assassinado a D. Alda, já que a causa da morte foi asfixia, não restando qualquer dúvida sobre tal e afastando toda e qualquer possibilidade de morte acidental ou suicídio.
A resposta a esta questão é óbvia, dados os ciúmes de que padecia a população feminina casada, e não só. Se alguém poderia ter motivo para o crime, esse alguém seria muito provavelmente uma mulher, quase de certeza casada, cujo marido não tivesse resistido aos encantos daquela mulher esbelta, bonita e mimosa de pele.
Todavia, embora não fosse imediatamente visível um motivo que impelisse um elemento da população masculina a assassinar a D. Alda, não deixaria de ser possível que tal acontecesse.

Num eventual leque de suspeitos do grupo masculino, dois nomes surgiram à baila. Fora a Zabel do Tó Pedreiro que lançara para a ribalta o nome do Barato-Fino, amante oficial, talvez de algumas mulheres da vila, mas talvez também de D. Alda.
O Barato-Fino, alcunha que possivelmente derivava de preço de venda das peças que levava de porta a porta, seria Barato, e do seu aspeto magro e esguio, daqui o Fino.
Dizia a Zabel do Tó Pedreiro que o Barato-Fino fora visto a passar por ali na véspera. O que, de facto, seria verdade já que o Barato-Fino, fora visto naquela manhã, pois fora surpreendido pela chuva na véspera, tal como o Avô Palaló, e ficara retido na Pensão do Cabreiro, onde jantara e dormira.
Estamos certos que o cabo André iria confirmar se o Barato-Fino não saíra da pensão e, com toda a certeza, iria receber essa confirmação. Até porque, assim parece, a pensão ficaria na margem oposta aquela onde ficava a Casa da Pata.

O segundo nome que viera à baila fora o do próprio marido da Zabel do Tó Pedreiro, o próprio Tó Pedreiro, que ajudara a reconstruir a Casa da Pata e que, os ciúmes da mulher Zabel assim o demonstravam, teria ficado caído pela bela dama Alda.
Mas, sobre este, de acordo com o que dissera a mulher Zabel, sabemos que impedido de visitar a D. Alda, devido à chuva que caíra na noite anterior, foi dormir acompanhado com uma “botelha d’augardente pó palheiro do Fandinga”, mas não sem antes dar uma “tafona” à mulher.
Claro que a Zabel do Tó Pedreiro pode estar a encobrir o marido, se bem que o olho negro que apresentava possa constituir uma evidência para a existência da tal “tafona” de que falara.
Tal como antes, também estamos certos que o cabo André iria confirmar (caso fosse possível) se o Barato-Fino passara mesmo a noite no palheiro do Fandinga, ou se ainda lá estaria aquela hora a curar a bebedeira, pois ainda não havia qualquer sinal dele.
8. – A MENSAGEM NA CARTA DA PAPISA
O facto de ter sido encontrada uma carta, rasgada, representando a Papisa, permite-nos saber que D. Alda para ler a sorte nas cartas recorria às cartas de Tarot.
As cartas de Tarot correspondem a um baralho constituído por um total de 78 cartas, denominadas arcanos e divididas em dois grupos: um primeiro grupo constituído pelos 22 símbolos principais denominados como arcanos maiores e um segundo grupo formado por 56 símbolos secundários denominados como arcanos menores
Os arcanos maiores são numerados de 0 a 21, correspondendo cada número a um arcano maior, por esta ordem: 0 = O Louco, 1 = O Mago, 2 = A Papisa, 3 = A Imperatriz, e sucessivamente até 21 = O Mundo.
O Tarot é simbólico pelo que cada arcano tem um significado oculto. Compreendido o significado de cada um dos símbolos, as cartas transformam-se numa espécie de alfabeto capaz de um número infinito de observações, todas elas com um sentido.
A carta correspondente à Papisa (Figura 1) simboliza o princípio feminino universal, sendo a expressão da meditação, da sabedoria interior e do esoterismo e representando a intuição, a sensibilidade e os poderes mediúnicos.

FIGURA 1. – CARTA DO TAROT REPRESENTANDO A PAPISA

O Avô Palaló encontrou a carta de Tarot representando a Papisa rasgada ao meio, horizontalmente, estando a parte superior sobre as cartas dispostas lado a lado em cima da mesa e tendo sido a parte inferior encontrada amarrotada no chão junto à porta.
Tal como se mostra na Figura 2, a parte superior da carta rasgada ao meio apresenta a imagem que representa a Papisa, enquanto a parte inferior apresenta o que ela tem nas mãos, bem como a sua vestimenta (para além do nome da carta).
Como o Avô Palaló rapidamente percebeu, a mensagem deixada pela vítima não pretendia chamar a atenção para o que estava representado em cada uma das suas partes, após a carta ser rasgada horizontalmente, mas sim para o que ela globalmente representava, ou seja, a Papisa.




FIGURA 2. – CARTA DA PAPISA RASGADA HORIZONTALMENTE
(a) Parte superior

(b) Parte inferior


A mensagem, tal como as cartas do Tarot, também era simbólica, pelo que a parte rejeitada (a que foi encontrada sobre a mesa) correspondia à primeira parte (ou à parte anterior) do nome da Papisa, enquanto a parte guardada (a que acabou por ser encontrada amarrotada, no chão) correspondia à segunda parte (ou à parte posterior) do nome da Papisa:
  • PAP = Parte anterior do nome;
  • ISA = Parte posterior do nome.

    Tal como dissera o Avô  Palaló ao cabo André, “uma mensagem neste bocado de carta”, a mensagem estava no pedaço de carta encontrado amarrotado no chão, representando a parte posterior do nome da Papisa: ISA.

    ISA de Isabel, ou Zabel, como popularmente eram designadas as mulheres com este nome: a Zabel do Tó Pedreiro.



    Claro que a D. Alda poderia ter tomado outra opção no momento em que decidiu deixar uma pista para identificar o seu algoz. Alternativamente, em vez de um rasgão horizontal, poderia ter rasgado a carta verticalmente, ficando as duas partes tal como se mostra na Figura 3.

    Se tivesse sido este o caso, a mensagem não seria apenas simbólica, mas também textual, já que o lado direito da carta (a parte que poderia ter sido encontrada amarrotada), resumia objetivamente a parte do nome da Papisa relevante: a ISA.

    Mas não foi este o caso! Contudo, embora não tenhamos informação que consubstancie esta teoria, podemos admitir que, tendo a vítima rasgado a carta horizontalmente, a possa ter guardado na mão, dobrada numa posição vertical (embora ficasse posteriormente amarrotada).

    O que poderia ajudar o cabo André a desvendar a mensagem, mas não sendo necessário para a argúcia do Avô Palaló.







    FIGURA 3. – CARTA DA PAPISA RASGADA VERTICALMENTE
(a) Lado esquerdo

(b) Lado direito


9. – A HOMICIDA É IDENTIFICADA
A D. Alda, além de esbelta, bonita e mimosa de pele, era também uma mulher inteligente, não apenas porque convencera a Marquesa de Alorna a recuperar a Casa da Pata, mas também porque, mesmo sabendo que poderia morrer, teve o “incrível sangue frio diante da morte”, de que nos falara o Avô Palaló, para deixar uma mensagem identificando a sua algoz.
A metade da carta que agarrara, com força, até soçobrar, e que até aquele momento fatal mantivera bem presa na mão, iria permitir identificar a responsável pela sua morte: a ISA de Isabel ou Zabel.
Para o Avô Palaló não sobrava qualquer dúvida. Fora a Zabel do Tó Pedreiro que assassinara a D. Alda. Mas, mesmo assim, quando a viu na margem oposta do riacho, não deixou de querer falar com ela, na eventualidade de poder robustecer a sua teoria.
E, de facto, assim aconteceu.

Trazida à presença do Avô Palaló e do cabo André, pelo subordinado deste último, envolta em lamúrias, o Avô Palaló procurou, primeiro, que ela se acalmasse, mas de imediato lançou a pergunta, para a qual já conhecia a resposta: “Mataste a Alda?
Assustada, a Zabel do Tó Pedreiro respondeu: “Credo home… na abafi a bruxa robadeira dos homes das outras.
Foi a resposta suficiente para confirmar o que o Avô Palaló já sabia, pois nesta resposta não só mostrou ter conhecimento sobre como morrera a D. Alda, o que até ali apenas era do conhecimento do Avô Palaló e do cabo André (além do assassino, claro), pois nem mesmo o dr. Godinho sabia já que se retirara do local antes do Avô Palaló partilhar os elementos que recolhera, como também avançara com o motivo do crime.
A causa da morte ainda não fora determinada pelo médico, mas era, para já, uma conclusão das descobertas que o Avô Palaló fizera dentro da habitação da D. Alda. Contudo, a Zabel do Tó Pedreiro afirmara que não “abafara” a bruxa, quando não poderia ainda saber que a D. Alfa morrera por “abafamento”, termo popularmente usado para designar a morte devida a asfixia por sufocação.
Sobre o motivo para assassinar a D. Alda, tal como já consideráramos antes, eles rram bem evidente, isto é, os fortes ciúmes provocados pela “ladra dos homens”.
10. – COMO TUDO ACONTECEU
A vida corria dentro daquilo que seria a normalidade de uma pequena vila ribatejana, até à chegada daquela mulher, há cerca de dois anos, que contrastava com as mulheres trigueiras do campo, pela sua beleza e pela sua pele mimosa.
Uma mulher irresistível para os aldeões, uma mulher da cidade no meio das mulheres do campo. E a oportunidade de participar na reconstrução da Casa da Pata foi aproveitada pelos homens que trabalhavam naquela área, entre eles o Tó Pedreiro.
A atenção que o Tó Pedreiro dava aquela esbelta mulher não passara despercebida à sua Zabel, mulher trigueira do campo e uma autêntica bisarma. Não passara despercebido que o seu Tó ficara caído por aquela mulher, desde os tempos em que trabalhara na reconstrução da sua habitação. Os ciúmes rapidamente começaram a roer a bisarma Zabel.
Pelo menos, assim pensou ela, graças à inesperada borrasca que caíra, o Tó iria cair nos braços da Zabel. Pura imaginação!
O que o Tó queria mesmo, era visitar aquela mulher naquela noite. Mas ficou irritado pela chuva que “Deus amandou”.
A discussão entre o Tó e a Zabel, por causa daquela mulher, estalou. E estalou de tal modo que a Zabel ainda “alevou uma tafona”, antes do Tó agarrar numa “botelha d’augardente” e ir dormir para o palheiro do Fandinga.

Zabel ter-se-ia aproximado de um espelho e, perante a visão do olho que começava a enegrecer à sua frente, tomou uma decisão. Aquela mulher não viveria nem mais um dia.
Impedida pela chuva torrencial para sair de casa, em vez de se acalmar, ficou mais decidida. Não conseguiu dormir e, assim que o tempo amainou, saiu de sua casa e dirigiu-se à Casa da Pata, a habitação da “bruxa robadeira dos homes das outras”.
A sua chegada à Casa da Pata teria alertado a D. Alda, pois ter-se-ia questionado: “Qual era a probabilidade de alguém lhe aparecer aquela hora tão matinal, depois de uma autêntica borrasca, para lhe “ler a sorte nas cartas”?
Mas teria sido essa a justificação dada pelo Zabel para que D. Alda lhe abrisse a porta. Possivelmente chegaram mesmo a sentar-se à mesa, uma frente à outra, e D. Alda teria distribuído as cartas do Tarot, umas ao lado das outras, tal como o Avô Palaló as encontraria na manhã do dia seguinte.
Desconhecemos o curso da conversa, mas a dado momento, apercebendo-se que Zabel se levantava da mesa, D. Alda lembrou-se, caso lhe acontecesse alguma coisa, de deixar uma pista para identificar a sua atacante. Por isso, pegou na carta da Papisa, rasgou-a ao meio, colocou a parte superior sobre a mesa e dobrou, talvez na vertical, a parte inferior guardando-a na sua mão.

Enquanto D. Alda resolvia deixar uma pista sobre a sua eventual atacante, levou uma pancada na cabeça, por trás, com um pedaço de madeira que a Zabel pegara do cesto ali ao lado. A pancada teria como resultado a escoriação que se observaria posteriormente na nuca, mas naquele momento tê-la-ia deixado atordoada.
Ainda debaixo desse atordoamento, tendo caído ao chão, percebeu que Zabel teria pegado numa almofada e a estava a apertar fortemente contra o seu rosto. Ainda atordoada e a sentir muita dificuldade em respirar, procurou afastar a almofada com uma das mãos, tendo o cuidado suficiente para não largar o pedaço de carta incriminatório guardado na outra mão.
Como resultado desta tentativa de defesa, perante uma mulher mais forte que ela, uma verdadeira bisarma, acabou por partir a unha do dedo anelar da mão com que se defendia, a qual ficou cravada na almofada e que seria posteriormente encontrado pelo Avô Palaló.
Por fim, soçobrou ao ataque, deixando de conseguir segurar o pedaço de carta, que cairia no chão e que também seria posteriormente encontrado pelo Avô Palaló.

Tudo estava terminado, aquela mulher nunca mais roubaria os homens das outras mulheres. Possivelmente, quando já se preparava para se afastar, Zabel ter-se-ia lembrado da Lenda de Pilarzito
A mesma lenda que D. Alda contava a quem a visitava. Porque não repetir o que a lenda descrevia: um corpo de mulher voltaria a aparecer afogado no riacho. Ela levaria D. Alda até ao riacho, ali perto, e colocaria a sua cabeça dentro de água, para que parecesse que a tinham afogado, tal como acontecera com Pilarzita.
Para isso, apenas teria de arranjar uma forma de transportar o corpo da sua vítima para junto do riacho.

A Zabel do Tó Pedreiro por ser uma autêntica bisarma, com um tamanho e uma constituição acima do normal, não teria qualquer dificuldade em pegar no corpo da sua vítima, atirá-lo para cima das suas costas e levá-lo até junto do riacho.
Mas não foi isso que fez, porque talvez ao fazê-lo poderia alertar as autoridades, caso chegassem à conclusão que D. Alda fora assassinada dentro de casa e que fora levada por alguém possante.
Por isso, aproveitando o carrinho de mão que estaria à entrada da casa, levantou a sua vítima e colocou-a dentro dele. O corpo da D. Alda teria ficado dentro do carrinho de mão, enquanto as pernas e os pés ficariam de fora, estes tocando no chão.
Era por isso que na areia lavada pela chuva que continuava a cair, mas com menor intensidade que no período em que durara a borrasca, se podiam observar aqueles rastos.

O pé grande que estava gravado profundamente na areia, mas mais nos calcanhares, fora produzida pela própria Zabel quando pegara no corpo da sua vítima e o colocara dentro do carrinho. O corpo ao ser pegado em força faz com que a marca do pé seja maior no calcanhar.
Ao baixar o corpo da sua vítima para o colocar no carrinho, um dos pés da D. Alda teria entrado em contacto com o chão, deixando a sua marca apenas no início da marcha.
O rasto seguinte teria sido produzido já durante a deslocação do carrinho. A Zabel do Tó Pedreiro, enquanto puxava o carrinho de mão, ter-se-ia apercebido que o sapato que a sua vítima calçava teria saído do pé, pelo facto de o pé estar a ser arrastado pelo chão, tal como as marcas deixadas o comprovam.
O que fez ela? Interrompeu o percurso, pegou nos sapatos e colocou-os dentro do carrinho. Depois continuou até junto do riacho, ficando o rasto da roda do carrinho de mão escondido pelas marcas do pé pequeno descalço a ser arrastado pelo chão.
Assim que chegou junto do riacho, a Zabel do Tó Pedreiro voltou a levantar a sua vítima e colocou-a na posição em que viria a ser encontrada. Já os sapatos foram colocadas ao lado do corpo, tal como o carrinho de mão.

Os rastos poderiam, perfeitamente, ter sido produzidos tal como descrevemos, não havendo uma razão objetiva para se considerar que tenham sido produzidos em momentos diferentes, ou seja, com mais que uma ida e volta.
A ideia da utilização do carrinho de mão também serviria para eventualmente incriminar alguém com uma constituição não tão robusta. Alguém que não pudesse pegar no corpo, mas que mais facilmente o pudesse deslocar dentro do carrinho de mão, pois a força necessária seria bem menor.
Mas incriminar quem? A resposta é óbvia: o Barata-Fino. Pois não teria sido por acaso que a Zabel do Tó Pedreiro chamou a atenção para ele.

Daniel Falcão