domingo, 16 de dezembro de 2018

POLICIÁRIO 1428



SOLUCIONADOS OS DERRADEIROS
DESAFIOS DESTE ANO

Ficamos a saber a solução oficial de cada um dos desafios que integram a prova n.º 10, a última desta época competitiva.
Após esta divulgação, os nossos “detectives” iniciarão o “sofrimento” da espera por boas notícias na frente classificativa.

CAMPEONATO NACIONAL E TAÇA DE PORTUGAL – 2018
SOLUÇÕES DA PROVA N.º 10
PARTE I - “MEMÓRIAS DO INSPECTOR AMBRÓSIO”, de NORDI

A história do Inspector Ambrósio tinha fragilidades que lhe conferiam alguma ficção. Desde logo a aventura de ir para a Suécia numa viatura sem condições para atravessar toda a Europa. Mas isso poderia ter acontecido, embora fosse improvável. O que não podia mesmo ter acontecido foi a descrição do sucedido em Estocolmo.
A cena passava-se em Maio de 1962, logo após o Benfica ser campeão europeu em Amesterdão, no Estádio Olímpico, o que aconteceu no dia 2. Segundo o relato, o Ambrósio ia em circulação e virou imediatamente à direita para o parque de estacionamento, onde tentou entrar. Ora, esta manobra não poderia ser efectuada assim, porque o trânsito na Suécia, nessa altura, fazia-se pela esquerda, à inglesa. Portanto, a viatura circulava pela esquerda e com o volante também desse lado, o que o obrigaria, se fosse verdadeira a manobra, a atravessar o eixo da via. Por outro lado, era lógico que não houvesse um local para o guarda do parque junto à janela da esquerda, porque deveria estar à direita, onde supostamente estaria o volante e o lugar do condutor.
Não seria bem assim, apesar de tudo, uma vez que a maior parte das viaturas que circulavam na Suécia já tinham volante à esquerda, embora a circulação continuasse à direita, até ao “Dagen H”, o dia 3 de Setembro de 1967, um domingo, em que de uma assentada tudo mudou, sem grandes sobressaltos ou confusões, como relatam as crónicas da época.

PARTE II – “SÁBADO SANGRENTO”, de TROLL

Hipótese A – Gaspar.
O caderno acaba por ser a chave para decifrar o enigma. A referência de que o senhor Ribeiro apontava tudo no seu famoso caderno, fez com que o inspector o procurasse e verificasse o que lá era referido.
Assim ficou a saber que estava programada a visita do seu filho, mas não constavam as conclusões da mesma, ao contrário do habitual. No entanto, a seguir relatava o encontro com o contabilista Macário, em que se falava da contratação nesse dia, de homens para ajudarem na poda das videiras. E é aí que está o erro, uma vez que a poda das videiras é efectuada imediatamente antes do Inverno e das geadas, o que é incompatível com a época em que se passa a nossa acção, ou seja, já com a Primavera instalada.
A solução passa pela troca de folhas, que como são perfuradas, alguém retirou de um dia qualquer de Dezembro e colocou no seguimento do dia dos acontecimentos, parecendo sequencial. Esse alguém, não podia estar muito por dentro das questões agrícolas, ou não faria tal coisa, até porque não foi especialmente pressionado, tendo tempo para executar o seu plano. Ajusta-se como uma luva ao Gaspar, que sabia que o pai ia receber a seguir o contabilista e por isso resolveu colocar as conclusões desse encontro, que a acontecer o ilibaria completamente.
Este, para além de estar por dentro de todos os negócios do senhor Ribeiro, não iria cometer um erro tão básico, se fosse o responsável pelo assassinato, para além de não beneficiar nada com a situação.
O Manel não parece ter intervenção directa, é o responsável por verificar portas e janelas no final do dia e assim fez, certificando-se que tudo estava em conformidade. Não retiraria qualquer benefício em termos de herança e como não houve qualquer registo de roubo de bens, não parece existir motivos para o crime, pelo contrário, provavelmente ficaria sem emprego.
O possível suicídio está fora de questão, porque o escritório foi esquadrinhado ao milímetro e nada foi encontrado digno de relevo, portanto, não havia cápsula de munição, que teria de ser inevitavelmente ejectada pela pistola. O criminoso recolheu-a.

CAMPEONATO NACIONAL DE PRODUÇÃO – 2018

Conhecidos os problemas e respectivas soluções, os “detectives” que responderam a todos os problemas, podem enviar as suas classificações, até ao dia 21 do corrente mês de Dezembro, para o endereço pessoa_luis@hotmail.com, atribuindo 1 ponto ao problema que considerem menos conseguido e 10 ao que entenderem melhor, em cada categoria:

Prova 1 – Calor e Morte no Alentejo – Compadre AL
Prova 2 – Smaluco e a Morte de Jorge Maravilhas – Inspector Boavida
Prova 3 – Roubo na Noite Escura – Stage 15
Prova 4 – O Precioso Camafeu Napolitano – Verbatim
Prova 5 – No Melhor Pano Cai a Nódoa – Fernando Search
Prova 6 – Quatro Amigos em 1 de Julho – Zéfrey
Prova 7 – Crime Impossível – Rigor Mortis
Prova 8 – O Anticristo – X. Boavista
Prova 9 – Uma Noite de Natal em Solar Minhoto – Emil
Prova 10 – Memórias do Inspector Ambrósio – Nordi

PROBLEMAS DE ESCOLHA MÚLTIPLA

Prova 1 – A Morte do Rei dos Queijos – Rui Lopo
Prova 2 – O Caso da Morte de Elisa – Inspector Boavida
Prova 3 – A Saga das Girafas Incómodas – FIPQ
Prova 4 – Código Urgente – Verbatim
Prova 5 – Uma História de Marcolino – Zélima
Prova 6 – Quatro Amigos ao Pôr-do-Sol – Zéfrey
Prova 7 – O Rubi – Rigor Mortis
Prova 8 – A Viagem de Verbatim – Zéfrey
Prova 9 – Cadáver na Praia – Bimba
Prova 10 – Sábado Sangrento – Trol

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

POLICIÁRIO NO PÚBLICO TERMINA NO FINAL DO ANO


FOI UM TELEFONEMA BREVE.

EM POUCOS MINUTOS O EDITOR DO P2 PASSOU A CERTIDÃO DE ÓBITO A MAIS DE 26 ANOS DE POLICIÁRIO NO JORNAL "PÚBLICO"!

ASSIM TRATAM OS ASSUNTOS NESTE SÉCULO XXI, OS DECISORES DITOS ALTAMENTE QUALIFICADOS, SEM OLHAREM AS PESSOAS, SEM AS QUEREREM SEQUER CONHECER!

SERÁ A ERA TECNOLÓGICA, DIRÃO ALGUNS. NÓS, JÁ COM ALGUNS ANOS EM CIMA, CHAMAMOS-LHE OUTRAS COISAS.

NO DIA 30 DE DEZEMBRO, ENCERRA-SE UM CICLO DE 1430 EDIÇÕES DO POLICIÁRIO!





terça-feira, 11 de dezembro de 2018

PRAZO PARA A PROVA N.º 10


PRAZO LIMITE:

 15 DE DEZEMBRO ÀS 24 HORAS


E NEM MAIS UM SEGUNDO!

A PARTIR DAS 24 HORAS NÃO SERÁ ACEITE QUALQUER SOLUÇÃO!!

domingo, 9 de dezembro de 2018

POLICIÁRIO 1427




MISTER H E DANIEL FALCÃO NA FINAL DA TAÇA

A Taça de Portugal tem, desde agora, os seus finalistas encontrados. Depois de uma competição muito dura em que, prova após prova, foram resistindo os “detectives” com melhores prestações, chegamos a um dos pontos altos de cada época competitiva: A Final da taça.
A Taça é uma prova a eliminar, pelo que encerra uma enorme dose de imprevisibilidade. Um “detective” que possa estar com desvantagem evidente no campeonato, tem sempre uma competição em que apenas terá de superar os respectivos adversários directos, para aspirar ao título!
A regra geral é a de que há um sorteio entre os confrades que estão em prova, de forma que cada um deles defronte outro e apenas esse. Assim, um confrade passará à eliminatória seguinte desde que obtenha uma pontuação superior ou, em caso de igualdade, uma solução mais conseguida, sob a óptica do orientador.
E isso, que aparenta ser uma coisa fácil e acessível, não o é, de todo. Suplantar um confrade que também vai lutar pelo apuramento, obriga a um exercício de concentração e busca, que vai sempre muito além da mera obtenção dos 10 pontos em disputa.
A Taça de Portugal é uma prova diferente, em que não é propriamente a regularidade que dita as leis, mas sim uma especial acuidade para estar, no momento certo, melhor que cada um dos seus oponentes. No fundo é isso que conta, em cada eliminatória fazer melhor que o seu adversário!

Talvez haja um espírito próprio para os candidatos à taça, ao ponto de sabermos quem tem melhores argumentos para ir vencendo os confrontos, um a um, mesmo quando em termos de classificação geral do campeonato as coisas não correm tão bem.

Este ano, os semi-finalistas davam garantia de muita luta, muito equilíbrio e a certeza de que a final ia contar com pesos pesados do Policiário. Um pormenor, uma ideia, um rasgo de génio, poderia levar um confrade à decisão final e assim aconteceu.

MISTER H e DANIEL FALCÃO vão disputar o título, deixando pelo caminho os seus valorosos opositores, PAULO e ZÉ, a quem deixamos uma palavra de agradecimento pela seriedade que puseram nesta eliminatória, valorizando sobremaneira os finalistas.

A prova n.º 10, cujo prazo para envio de soluções termina amanhã, dia 10, vai decidir quem conquista a Taça de Portugal – 2018.

RESULTADOS “AO VIVO” NA PASSAGEM DE ANO 

Repetindo a experiência do ano transacto, em que os resultados finais das competições foram sendo divulgados ao longo da noite de passagem de ano, havendo registo de muitas centenas de acessos ao blogue Crime Público, sempre na ânsia natural de cada confrade ficar a saber o mais antecipadamente possível qual o seu comportamento competitivo.
Este ano, o atraso na publicação dos problemas da prova n.º 10, que teve como consequência o adiamento dos prazos, faz com que apenas a partir do dia 16, data de publicação das soluções oficiais, possamos pôr à votação as produções deste ano. No entanto, já hoje vamos inserir as listagens das produções, para que os “detectives” possam, desde já, preparar as suas votações. No blogue Crime Público, em http://blogs.publico.pt/policiario, iremos dando informações sobre prazos e meios de votação, para que possamos ter tudo em devida ordem para a nossa grande noite policiária.
O programa é relativamente simples: Desde o início da noite, iremos publicando os resultados da prova n.º 10, as pontuações obtidas pelos “detectives”, a que se seguirão, pouco a pouco, os vencedores de cada classificação, culminando com os campeões nacionais de produção e decifração, vencedor da Taça de Portugal, Policiarista do Ano e n.º 1 do Ranking.
A noite terminará com a consagração de todos os confrades, preparando a nova época de 2019, rumo à edição 1500 do Policiário, um objectivo que vamos perseguir e alcançar em 2020, se tudo correr como planeado.

CAMPEONATO NACIONAL DE PRODUÇÃO – 2018

Os problemas a votação para encontrarmos o campeão nacional de produção desta época, são os seguintes:
Prova 1 – Calor e Morte no Alentejo – Compadre AL
Prova 2 – Smaluco e a Morte de Jorge Maravilhas – Inspector Boavida
Prova 3 – Roubo na Noite Escura – Stage 15
Prova 4 – O Precioso Camafeu Napolitano – Verbatim
Prova 5 – No Melhor Pano Cai a Nódoa – Fernando Search
Prova 6 – Quatro Amigos em 1 de Julho – Zéfrey
Prova 7 – Crime Impossível – Rigor Mortis
Prova 8 – O Anticristo – X. Boavista
Prova 9 – Uma Noite de Natal em Solar Minhoto – Emil
Prova 10 – Memórias do Inspector Ambrósio – Nordi

PROBLEMAS DE ESCOLHA MÚLTIPLA

Prestemos atenção, igualmente, aos problemas “rápidos”, de escolha múltipla, publicados este ano e que ficarão sujeitos à votação dos nossos “detectives”:
Prova 1 – A Morte do Rei dos Queijos – Rui Lopo
Prova 2 – O Caso da Morte de Elisa – Inspector Boavida
Prova 3 – A Saga das Girafas Incómodas – FIPQ
Prova 4 – Código Urgente – Verbatim
Prova 5 – Uma História de Marcolino – Zélima
Prova 6 – Quatro Amigos ao Pôr-do-Sol – Zéfrey
Prova 7 – O Rubi – Rigor Mortis
Prova 8 – A Viagem de Verbatim – Zéfrey
Prova 9 – Cadáver na Praia – Bimba
Prova 10 – Sábado Sangrento – Troll

Em breve serão fornecidas as indicações e prazos para envio das propostas de votação dos “detectives” que reúnam as condições regulamentares para exercer esse voto, ou seja, que tenham respondido a todos os desafios propostos, independentemente das pontuações obtidas.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

TAÇA DE PORTUGAL - 2018


F I N A L I S T A S



     

MISTER H 










DANIEL FALCÃO


domingo, 2 de dezembro de 2018

FALECEU JORGE MAGALHÃES

O nome não dirá muito à generalidade dos nossos confrades, porque nunca foi decifrador ou produtor de problemas policiários, tanto quanto sabemos, mas era uma figura importante para nós, principalmente porque era o responsável da Agência Portuguesa de Revistas pelos conteúdos do Mundo de Aventuras e, como tal, o "chefe" do nosso SETE DE ESPADAS na secção que trouxe a maioria de nós para o Policiário, a partir de Março de 1975.


Para além disso, era um conviva excelente, que nos acompanhava nos convívios policiários que nessa época percorriam TODO o país.

Foi o confrade Jartur que nos deu a notícia, assim:

Prezados Amigos:
Esta manhã domingueira, por telefone, o nosso Amigo Luis Beira, estudioso da Banda Desenhada cujos trabalhos assina com o pseudónimo de Alfa Zulu, informou-me da morte de Jorge Magalhães, que a maioria de vós conhece por frequentar alguns dos nossos convívios,
e porque foi durante muitos anos argumentista de BD e Director  de uma das fases do Mundo de Aventuras. 
Após essa triste e surpreendente informação, liguei o "Gmail", onde já uma mensagem do Carlos Gonçalves, sempre Amigo e atento, escrevia:

"É com sentido pesar que divulgamos esta triste notícia de um ícone no nosso meio, também ele de uma grande dedicação à Banda Desenhada e um homem conhecedor e privilegiado de ter no seu currículo muitos anos profissionais em paralelo com a sua carreira de estudioso".

À família enlutada, em especial a sua mulher Catherine Labey, e a sua filha Maria José Pereira,
endereço os mais sentidos pêsames. DESCANSA EM PAZ, JORGE MAGALHÃES.
Jartur Mamede