domingo, 15 de outubro de 2017

POLICIÁRIO 1367



ANIVERSÁRIO SEM ANIVERSARIANTE?

Completamos hoje a publicação dos desafios da prova n.º 9, o que significa que ficamos a uma prova (dois problemas) do fim das competições desta época, que têm sido renhidas como é habitual e recheadas de incertezas quanto aos vencedores.
Vamos ver como decorrem, ou não, as festas de aniversário que o Inspe4ctor Fidalgo nos traz:

CAMPEONATO NACIONAL E TAÇA DE PORTUGAL – 2017
PROVA N.º 9 – PARTE II
“FESTAS DE ANIVERSÁRIO… OU NÃO!” – Original de INSP. FIDALGO

Ter a mesma idade de uma revolução nunca é fácil para ninguém. Sempre que o visado diz que nasceu no ano “x” imediatamente alguém associa à data…
- Olha, olha, nasceste no ano em que…
Para o Pancrácio, para o Lucrécio e para o Ptolomeu, três primos a quem os pais apostaram dar nomes horroroso que eles arrastam há precisamente quatro décadas, isso era recorrente e, reconheça-se, muito chato. E depois havia a circunstância de serem de Santarém e então ainda mais se fazia sentir a associação de ideias.
Mas enfim, com o passar dos anos a habituação foi fazendo o seu caminho e agora já nem reparam e muito menos reagem.
Mas para além desse facto, havia mais:
O Pancrácio nasceu no dia 5 de Outubro e daí resultou que durante muitos anos foi associado, não a um, mas a dois acontecimentos da nossa história, o que não sendo particularmente irritante, sempre deixava mossa e o obrigava a um sorriso amarelo, quando questionado.
O Lucrécio nasceu a 1 de Novembro e para além de saber que era dia de comemoração religiosa, ficava irritado por nunca ter podido fazer uma festa na escola, nem os seus colegas lhe cantavam os parabéns.
O Ptolomeu, para não variar, nasceu a 1 de Dezembro e também ele sofria do mesmo mal dos primos, sofrendo em silêncio com o nome e com o resto.
Solidário com eles, Fidalgo, amigo de longa data da grande família alargada onde todos eles se inseriam, evitava abordar esses assuntos de nomes, idades ou datas, mas como era um ano especial, resolveu convidar cada um deles para beberem um copo, na data de aniversário. Não seria apenas um copo, claro, mas um programa alargado, que começaria no jantar da véspera, uma noite inteira de farra, com prolongamento pela manhã do dia de aniversário. Depois de almoço, cada um ficaria liberto para as suas “obrigações” familiares…
Convém dizer que este programa funcionaria como uma espécie de “despedida de solteiro” sem haver qualquer casamento, claro! Era só para espairecer…
Não sabemos se tudo aconteceu como era esperado ou não, se houve mesmo festa e farra nos dias aprazados, nem se tudo o que aqui se conta foi cumprido. O que o Fidalgo conta é que um dos primos lhe telefonou, muito zangado, dizendo que não podiam fazer o planeado para o dia do aniversário porque fora notificado pelas Finanças, num processo complicado, para comparecer às 10 horas da manhã!
- Estás a baldar-te! – ripostou Fidalgo – não tens é pedalada para uma noitada com prolongamento!
- Não, nada disso, é mesmo verdade!
O Fidalgo ficou pensativo. Não tinha grande importância, mas sempre ficava com uma pulga atrás da orelha quando acontecia alguma coisa que não percebia…
A-    O notificado só podia ser o Pancrácio;
B-    O notificado só podia ser o Lucrécio;
C-    O notificado só podia ser o Ptolomeu;
D-    Nenhum deles podia ser notificado.

E pronto.
Uma vez lançados os dados, não há maneira de recuar! Agora, é a vez dos nossos “detectives” indicarem, impreterivelmente até ao próximo dia 10 de Novembro qual a alínea que resolve o enigma proposto, para o que poderão usar um dos seguintes meios:
- Pelo Correio para Luís Pessoa, Estrada Militar, 23, 2125-109 MARINHAIS;
- Por e-mail para:
- Por entrega em mão ao orientador do espaço, onde quer que o encontrem.
Boas deduções!

TAÇA DE PORTUGAL – QUARTOS DE FINAL

Estão encontrados os confrades que vão disputar os quartos de final da Taça de Portugal e os confrontos que a D. Sorte definiu:

RIBEIRO DE CARVALHO – INSPECTOR MOSCARDO
PAULO – RIGOR MORTIS
BÚFALOS ASSOCIADOS – INSPECTOR ARANHA
INSPECTOR BOAVIDA – DANIEL FALCÃO

Sendo sabido que nesta fase nunca há adversários fáceis e todos tiveram de deixar pelo caminho valiosos oponentes, temos de salientar dois confrontos que colocam frente a frente fortes candidatos à vitória final: Búfalos Associados defronta o Inspector Aranha  e o Inspector Boavida o confrade Daniel Falcão.
Vamos aguardar pelas prestações de todos, na certeza de que os confrontos das meias-finais vão ser ainda mais escaldantes, apesar da alta temperatura que já estamos a viver!

CONFRADE ZÉ FAZ UMA PARAGEM

Por motivos pessoais, o confrade viseense viu-se forçado a interromper a sua participação por algum tempo. Uma baixa deveras importante no nosso pelotão de “detectives”, que perde uma das suas unidades mais valiosas, como revela o seu extenso palmarés, recheado de títulos.

SOLUÇÕES DA PROVA N.º 8 ATÉ AMANHÃ


O atraso na divulgação dos confrontos da Taça, teve como consequência o alargamento dos prazos para resposta à prova n.º 8, uma vez que os regulamentos são claros quanto ao facto de cada “detective” saber quem é o seu opositor no momento de elaborar a sua proposta de solução. Assim, o prazo é alargado até amanhã, dia 16, um alargamento que foi já amplamente divulgado no nosso blogue Crime Público (http://blogs.publico.pt/policiario).


domingo, 8 de outubro de 2017

POLICIÁRIO 1366



O SENHOR AFONSINHO FOI PARA OS ANJINHOS

Embora com atraso de uma semana, vamos publicar o problema do Inspector Fidalgo que compõe a primeira parte da prova n.º 9.
Entendemos ser devida uma explicação aos nossos leitores e “detectives” já que não se trata de nenhum mistério ou tabu, nada disso, mas apenas e só o surgimento de uma dúvida quanto à validade do argumento que íamos utilizar e a falta da sua confirmação a tempo de publicação.
Perante isso, na ausência de certezas, foi produzido o problema alternativo, que é hoje apresentado. Não será um problema com o grau de exigência que planeámos, nem teve a maturação que deveria ter, mas está aqui, exposto à resolução de todos os confrades.
Devido ao atraso na publicação, também o prazo para a sua decifração é alargado em conformidade, para que ninguém se sinta prejudicado.
Com um renovado pedido de desculpas, aqui fica o desafio:

CAMPEONATO NACIONAL E TAÇA DE PORTUGAL – 2017
PROVA N.º 9 – PARTE I
“A MORTE DO SENHOR AFONSINHO” – Original de INSP. FIDALGO

O senhor Afonsinho era uma figura singular naquele meio rural onde as famílias ainda ditavam as leis. Não em sentido formal, não havia leis específicas que as famílias criassem e fizessem executar, como é óbvio, mas os subconscientes dos conterrâneos reconheciam imediatamente neles um poder de autoridade em cada palavra que proferiam.
O senhor Afonsinho, está bem de ver, tinha tudo para ser personagem principal de um problema policiário. Era rico, não tinha filhos, vivia numa casona enorme, com requinte e estilo. Enfim, tinha tudo para ser a vítima perfeita, excepto um mordomo, que dá sempre jeito quando queremos explanar um crime.
Mas não vivia sozinho porque havia um batalhão de empregados que cuidavam de cada um dos assuntos que à mansão diziam respeito, mas que só podiam entrar com autorização do próprio, nenhum tinha chave ou acesso sem a sua acção. E esses registos ficavam assinalados, com hora de entrada e de saída. Os únicos dispensados deste ritual eram os seus primos direitos, o Afonso e a Teresinha, que embora não residissem, faziam questão de ali passar longos períodos de boa vida. O Afonso era um rapaz de boa compleição física, mas pouco parecido com o primo, que era homem para cento e muitos quilos de músculos bem trabalhados no ginásio muito bem equipado do piso térreo. O Afonso era mais para o gordo, com uma barriguita teimosa e um gosto para os doces e para a cerveja. A Teresinha era uma moça esbelta e frágil, uma destroçadora de corações, como comentava o irmão, na risota.
O senhor Afonsinho apareceu morto, como é natural e bom num problema policial. Deitado no chão do escritório, um vasto compartimento atulhado de livros, dossiers e folhas avulsas, jornais, revistas e outras coisas mais, num quase perfeito caos. Junto á porta, deitado no soalho de madeira perfeitamente liso e plano, olhando o tecto como se procurasse alguma coisa, o cadáver do senhor Afonsinho aguardava destino. Junto à sua mão direita, estava uma pequena pistola FN 6,35 mm. A toda a volta da cabeça, pintalgando o soalho, havia salpicos de um vermelho acastanhado, com forma oval e laivos na parte exterior, mais estreita, sinais de que alguma agitação houvera por ali, originando a sua projecção. O Inspector mirou e remirou a cena, de vários ângulos, à procura da razão do eventual sangramento, mas estava difícil de encontrar, até que o seu ajudante lhe apontou um pequeno orifício, escondido entre madeixas de cabelo desgrenhado, um pouco acima da orelha esquerda. Era mesmo um pequeno orifício de bordos limpos, mas notava-se que havia queimaduras em seu redor.
- Foi à queima-roupa! – adiantou o assistente - mas foi limpo, limpinho…
- Hum… - resmungou o inspector.
Pelo corredor, até àquele local, viam-se marcas que indiciavam que o corpo fora arrastado e ali deixado… E os sapatos não mentiam, com os calcanhares raspados e danificados:
- Repare, senhor inspector, estas marcas de arrastamento, sem espinhas! Foi morto fora daqui! É só descobrir onde e quem o arrastou!
- Hum…
Perante um incentivo tão importante como esta dupla resposta do inspector, o assistente foi buscar uma maleta e começou a alinhar frascos e frasquinhos:
- Inspector, vamos já tirar as dúvidas… Uma gota de tintura de Guaiaco em cima de uma das manchas, agora uma gota de essência velha de terebentina e… cá está: verde alface!
- Hum…
- Ainda vai mais uma para tira-teimas… Deixe cá ver nesta outra mancha… uma gota de soluto alcoólico saturado de benzidina e a seguir uma gota de água oxigenada e… Verde alface! Ó Inspector, não restam dúvidas, são dois exames diferentes que dão o mesmo, não concorda?
- Hum…
- Ó Inspector, pela primeira vez tenho a certeza de que vou dar cabo de quem fez esta atrocidade, posso mandar chamar os dois irmãos, posso? Mais ninguém aqui pode ter chegado, já confirmamos isso. Se os espremermos bem vamos saber a verdade da própria boca! Posso chamá-los?
- Hum…

E pronto!
Resta aos nossos “detectives”, depois de fazerem as leituras que acharem convenientes, elaborarem as propostas de relatório sobre o que terá ocorrido e as conclusões que é possível extrair e, impreterivelmente até ao próximo dia 10 de Novembro fazerem-nos chegar, para o que poderão usar um dos seguintes meios:

- Pelo Correio para Luís Pessoa, Estrada Militar, 23, 2125-109 MARINHAIS;
- Por e-mail para:
- Por entrega em mão ao orientador do espaço, onde quer que o encontrem.

Boas deduções!



O CRIME DE SERRAZES






Custo do livro, com portes de correio: 7,50 €

antonio.breda@gmail.com

sábado, 7 de outubro de 2017

CONTO DE ANTÓNIO BREDA CARVALHO

A MALA VERDE
António Breda Carvalho

Prémio Idalécio Cação, 2012; Junta de Freguesia de S. Caetano, Cantanhede



Em março de 1945, numa manhã cinzenta e fria, o chefe interrompeu o ofício que eu datilografava na pesada Olympia, para me dizer que estava na hora de lhe mostrar o que tinha aprendido no curso. Não foi bem assim que falou, lembro-me tão claramente como a água dos poços desse tempo. O que disse, literalmente, foi:
Menino, prepara-te para a tua prova de fogo.
O inspetor Hélio Gaspar apoiava-se na autoridade dos seus sessenta anos, e muito mais na graduação profissional, igualzinha à proeminente barriga, para me tratar paternalmente. Aliás, todos os estagiários eram sujeitos a esta condição de meninos imberbes. Depois, admitidos ao serviço da Polícia de Investigação Criminal, teriam direito a um tratamento mais adulto, com a palavra rapaz a marcar a subida de posto.
Até que enfim! exclamei, quase saltando da cadeira. De pé, mais interessado na notícia do que nos primeiros chuviscos que faziam cócegas na vidraça da janela por detrás das costas largas do chefe, eu já parecia um verdadeiro polícia a espremer um criminoso. Chefe, diga tudo o que sabe!
Aqui, quem dá ordens e decide sou eu! Digo quando entender que devo dizer.
Ordenou-me que terminasse rapidamente o serviço que tinha em mãos, pois dentro de dez minutos teríamos uma viagem de automóvel pela frente. Sentei-me, obediente, e acabei de redigir o ofício com umas marteladas nervosas no teclado da robusta Olympia. Sentia-me entusiasmado com o meu primeiro caso e bastante curioso relativamente à sua natureza. Política? Roubo? Crime? O inspetor Hélio Gaspar tinha abandonado o gabinete e voltara no preciso momento em que eu vestia o sobretudo, precavendo-me contra a chuva grossa que caía ruidosamente. Sorriu, satisfeito com a minha prontidão, e soltou um «vamos lá, menino!».
O Volkswagen pegou à primeira, e deixei-o carburar uns goles de gasolina; depois acionei o limpa-para-brisas e perguntei:
Chefe, para onde é a ida?
Cantanhede.
Não era viagem cansativa percorrer os quilómetros que separavam Coimbra dessa vila. Conhecia Cantanhede, de passagem a caminho dos palheiros de Mira, durante os domingos de verão passados na praia com os meus pais e irmãs. Quando o carocha passou a Geria, apanhei a estrada de Ançã. A chuva carregava cada vez mais, tanto como o céu escuro, e tive o cuidado de acender os faróis e de aumentar a velocidade do limpa-para-brisas, ao contrário do andamento do carro. O meu chefe ia todo lorde no banco do lado: as pernas escancaradas, as costas repousadas no banco quase oblíquo e a barriga bojuda a bailar ao sabor da trepidação do carocha.
Está um tempo de caca! queixou-se, os olhos colados ao vidro. Este inspetor nunca dizia: «Está um tempo de merda!» Era sempre: «Está um tempo de caca!», que servia para todas as estações do ano.
E logo borrou a limpidez da palavra caca e do ambiente com uma bufa silenciosa mas mortífera. Apressei-me a descer o vidro, apenas uma fresta de alívio. Espreitei-lhe a pança pelo canto do olho. Haveria mais borrasca intestinal? Aquilo era uma autêntica botija de gás, daquelas redondinhas, de treze quilos domésticos. Alguns segundos depois, quando o cheiro invadiu todo o compartimento, ouvi a frase sagrada:
Este gás é hélio. Um dos melhores! E riu-se desbragadamente, fazendo jus à alcunha de Inspetor Gás, ao mesmo tempo que acendia um cigarro.
Que rico dia de batismo policial: uma viagem debaixo de um temporal tremendo e uma asfixia de cheiros estonteantes! Aproveitei a sua boa-disposição para atirar o barro à parede:
Então, chefe, qual é o problema?
Largou duas fumaças. Tossi. Cofiou a pera grisalha e condescendeu:
Assassínio elucidou, laconicamente.
Assobiei. Uma estreia honrosa para mim. Este estagiário iria mostrar-lhe quão injusto era o tratamento por menino.
Há suspeitos?
Não havia. E mais uma névoa de fumo para cima de mim, que nada me aborreceu. Era bom que não houvesse suspeitos, teria mais possibilidades de mostrar o meu faro inato para casos detetivescos.
De casos difíceis é que eu gosto, chefe.
Ainda és um menino, não te esqueças disparou à queima-roupa. Pior do que gás hélio!
Por pouco tempo, chefe atrevi-me a responder.
Esboçou um sorriso. Desceu o vidro, um palmo, e deixou cair o coto do cigarro na estrada encharcada.
Não há suspeitos explicou porque o autor do crime está identificado.
Que grande desilusão! Era, realmente, um serviço para meninos. Um caso tão difícil como bater um ofício na monocórdica Olympia.
Chama a isto uma prova de fogo, chefe? reagi, visivelmente mal-humorado.
Claro!
Vejo tudo escuro à minha frente!
Riu-se e ajeitou-se no banco, cujas molas rangeram.
A tua função é conseguir uma prova que incrimine o gajo. Pelas informações que chegaram à delegação, é óbvio que só pode ter sido esse gajo. Mas precisamos de uma prova irrefutável. É aqui que tu entras: o teu primeiro teste.
Gajo era a segunda palavra mais usada por ele, a seguir a menino. O caso começava a agradar-me; tanto como as condições meteorológicas: a chuva amainava, as nuvens escuras dissipavam-se e a cor da manhã abria-se à frente do Volkswagen. Isto coincidiu com a chegada aos arrabaldes de Cantanhede.
E agora, chefe? perguntei ao aproximar-me do centro da vila.
Sempre em frente.
Para a praia de Mira, chefe? Vim desprevenido, não trouxe calções de banho brinquei com a situação. O inspetor simpatizava com as minhas brincadeiras de menino. Riu-se à farta. E depois arrependi-me da piada porque ele abriu a botija de gás.
Está um tempo de caca lamentou-se.
Segui em frente, convencido de que o destino era a vila de Mira ou a praia. Mas logo corrigiu:
Vai em frente, e daqui a uns quilómetros cortas à esquerda, quando encontrares uma placa virada para São Caetano.
E se a placa estiver ao contrário, chefe?
Olhou para mim, sem resposta imediata. O menino tinha-o encurralado. Desceu o vidro da janela, desta vez até ao limite, meteu a careca de fora e cuspiu contra a deslocação do ar.
Se a placa estiver virada ao contrário, lixamos o gajo que fez isso.
Fui obrigado a rir-me, por solidariedade profissional. Alguns quilómetros depois, suspendi o paleio, preso a uma ideia que me assaltara a mente, no momento em que avistei ao fundo uma placa que indicava o lugar de Febres.
Ó chefe, dá para fazer um desvio? apontei a placa e continuei: Gostava de conhecer esse lugar.
Tens tempo. A vítima é um gajo daí.
E vamos para São Caetano? Não percebo, sinceramente.
Vamos para o local do crime, primeiro.
Soltei um ah de surpresa. E ele surpreendeu-me também.
O que tu gostavas de conhecer em Febres sei eu bem.
Desacelerei, pasmado com a observação, e obrigado a isso por ter atingido o ponto de viragem para São Caetano. Pedi explicações, mas só depois de me ter posto, inutilmente, a adivinhar. A resposta chegou-me aos ouvidos como uma cuspidela:
Queres conhecer a casa do escritor que andas a ler.
Ando a ler tantos escritores, chefe respondi, mortalmente atingido, intrigado com o conhecimento que ele tinha da minha vida privada.
Sim, menino. Infelizmente, andas a ler muitos autores perigosos.
Como é que o chefe sabe disso? sondei, a medo.
Muitos anos nesta profissão. Por isso é que sou chefe, e tu, menino.
Eu andava a ler autores perigosos sem saber. Lia Alves Redol, Manuel da Fonseca, Mário Dionísio, José Gomes Ferreira … Desafiei-o: o que havia de perigoso nestes escritores?
Literatura subversiva, menino. Escritores comunistas. O comunismo é o inimigo número um da Nação. Foge dele, se quiseres ser alguém com futuro.
Retorqui que não via nada de mal nestes escritores. Respondeu-me, ironicamente, que por não haver qualquer perigo é que o livro que eu andava a ler tinha sido proibido pela censura. Senti-me completamente nu. Um bebé indefeso, a balbuciar:
Que livro, chefe?
O romance Alcateia, do Carlos de Oliveira. Por isso é que estás tão interessado em ir a Febres. Queres conhecer a casa onde ele viveu com os pais.
Fiquei boquiaberto. Ele conhecia a minha vida particular e os meus pensamentos tanto quanto eu?
Ó chefe, o meu interesse é meramente literário. Eu nem sabia que o livro estava carimbado pela censura. Isso aconteceu, de certeza, depois de o ter comprado na Coimbra Editora, no ano passado. Eu cá não percebo nada de política.
É bom que não percebas. Pensa bem na tua vida. Estou de olho em cima de ti.
E com esta ameaça chegámos à povoação de São Caetano, onde, por indicação dele, estacionei o carocha junto ao largo da capela. Saiu do carro. Não chovia, mas senti o vento frio no nariz. Apeado, fez-me sinal de espera com a mão sapuda, enquanto se dirigia a um gandarês que conduzia uma carroça. Percebi que lhe perguntava qualquer coisa, pois o homem virou-se para trás e apontou a estrada com a mão calejada de trabalho. Hélio Gaspar regressou ao automóvel e mandou-me arrancar, sempre em frente. Obedeci, calado, ainda irritado com o raio da conversa sobre os escritores comunistas. A estrada, de terra batida e cada vez mais estreita, enfiava-se pelo coração dos pinheirais. Passámos por uma pequeníssima povoação perdida no meio do mato, não mais de cinco casais no fim do mundo. Ao longe, numa zona descampada, terra de semeadura, avistava-se um charco. Toda esta paisagem me era estranha, por estar tão habituado à vida citadina. Comecei a ficar impaciente e perguntei-lhe se faltava muito.
Corujeira! Sempre em frente esclareceu, olhando o exterior, ao mesmo tempo que murmurava: Está mesmo um tempo de caca!
Parámos, finalmente, numa aldeia que supusemos ser a referida Corujeira, pela dimensão deste lugar em relação aos casebres que deixáramos para trás. Entrámos na taberna, ao pé do largo à beira da estrada, e o meu chefe, saudando a mulher embrulhada nuns trapos pretos, por detrás de um balcão de madeira tingido de vinho, confirmou, primeiro, o nome da terra, e depois perguntou-lhe se sabia alguma coisa do ourives morto. Tratava-se de um ourives, e só nesse momento o meu chefe o dizia, não a mim, mas a uma taberneira. A mulher esbugalhou os olhos (deve ter deduzido a nossa profissão), muito mais a boca desdentada, e despejou o pouco que sabia do acontecimento dessa manhã.
Uma desgraça, senhores! Deus o tenha em paz!
A pobre mulher não desembocava informações concretas, apenas sentimentos inócuos em catadupa, e o Inspetor Gás teve de lhe escorropichar toda a saliva até conseguir apurar o caminho para a quinta da Murteira. Saímos da taberna, depois de termos emborcado dois tintos, remédio que o meu chefe garantiu ser eficaz contra o frio, apesar de me ter arrepiado todo por dentro.
Fomos a pé dali à quinta, a fazer o mapeamento do terreno, quando subitamente nos deparámos com um magnífico solar que se escondia por detrás de um maciço de árvores, provavelmente murtas. O meu chefe assobiou. Quem diria? Quem diria que, numa terreola destas, havia uma casa majestosa? O acesso ao eirado era direto, sem cerca ou portão a impedir a passagem, a não ser o ladrar assanhado de três cães que, felizmente para nós, se encontravam presos por correntes. O forte alarido dos cães devia funcionar como sino, porque a porta principal entreabriu-se e uma cabeça coberta por uma touca de cozinheira espreitou-nos, e logo desapareceu.
Ficámos parados, fora do alcance dos cães, à espera de que alguém nos viesse receber, o que veio a acontecer passados dois minutos. Era um rapaz com ar aristocrático, que, depois da nossa identificação, se apresentou como neto do barão da Murteira, e exclamou:
Ah, vêm por causa do ourives morto!
 E mais disse, sem arredarmos pé do mesmo sítio, que os pais e o avô se encontravam ausentes, em viagem demorada por Lisboa, onde tinham ido tratar de assuntos familiares. Tirou do bolso uma caixa de cigarrilhas, e duas delas ficaram a arder, uma na boca do inspetor Gaspar e outra na do aristocrata, que entretanto anunciara chamar-se Alexandre, sem dom, frisou, porque naquela casa só o seu avô tinha o privilégio de ter título nobiliárquico. Disse isto com um riso cínico, segurando a cigarrilha com a mão esquerda. E a voz dele tornou-se mole e triste, quando, interrogado pelo chefe acerca do autor do telefonema para o posto da GNR de Mira, assumiu ter sido ele mesmo a tomar essa diligência, após o caseiro da quinta, o Casimiro, ter chegado ali, esbaforido, com as botas e as calças enlameadas, a dar conta da sinistra descoberta: o Júlio da Moita, ourives ambulante de Febres, boiava na água do poço grande.
Por instinto, sem algum motivo especial, olhei o meu chefe nos olhos, e ele aproveitou o ensejo para me comunicar uma decisão que me deixou incrédulo:
Tenho uns assuntos a tratar em Aveiro. Volto depois do almoço. O caso está por tua conta.
Despediu-se do Alexandre e abalou pelo caminho bordejado de vegetação, deixando-me impiedosamente desamparado como um funâmbulo inexperiente. Fiquei a vê-lo, uma forma airosa de ganhar algum tempo para delinear mentalmente um programa de ação. E a primeira ideia que me ocorreu foi perguntar ao meu interlocutor onde se encontrava o corpo da vítima.
Ao pé do poço grande. Por minha decisão, o caseiro e alguns homens da quinta retiraram o corpo da água. Aposto que custou menos aos meus homens tirar o ourives do poço do que ao assassino matá-lo.
Achei interessante esta comparação e indaguei, com um tom de voz bastante policial, o fundamento da afirmação. Ele esmagou a cigarrilha com a biqueira do sapato de couro, agasalhou as mãos nos bolsos da samarra com gola de raposa, imitando as minhas mãos nos bolsos do sobretudo, e respondeu, com displicência:
É elementar: nesta altura do ano, o poço grande enche sempre.
Quer então dizer que não esteve nesse local?
Claro que não! Acha-me com cara de campónio?
O aristocrata sem dom queria morder-me as canelas.
Se não esteve lá, nem viu o corpo, como sabe que foi crime? É bruxo? E, antes de ter tempo de reação, rachei-o, com voz destemida: Nem imagina o jeito que dava à Polícia de Investigação Criminal um bruxo. Muito melhor do que um cão treinado.
Que pena o chefe não ter assistido a esta resposta de antologia!
O jovem Alexandre, talvez da minha idade, estremeceu e fixou-me o olhar por instantes. Acendeu outra cigarrilha, demoradamente, a fazer de propósito, e só então se justificou:
O caseiro, o Casimiro, disse-me que o infeliz tem uma mossa na cabeça.
O autor do crime tinha sido esperto: a água lava todas as provas; assim, o crime não tinha assinatura. Andei alguns passos, pensativo, também para aquecer os pés e afastar-me dos cães que pareciam mais próximos de mim. A empregada espreitava-nos por detrás da cortina da janela. O aristocrata não tinha vontade de me convidar para um café quente, especado no terreiro como um campónio; ou talvez fosse eu o campónio aos olhos dele. Era inevitável inquiri-lo:
Não entendo uma coisa. Explique-me como se eu fosse um campónio: não esteve no local do crime e não viu o corpo; então, como sabe quem foi o assassino?
Ouviu-me dizer isso? desafiou-me, arrogante.
De facto, não ouvi. Mas não foi você que ligou para a GNR de Mira? É que o inspetor Gaspar já sabe quem matou quem.
Eu não disse isso redarguiu com um tom sobranceiro. Eu disse que estava desconfiado do filho do Manel Sorna. É muito diferente, não acha?
Acho que me deve explicar essa desconfiança.
E desenrolou a teoria da pobreza que instiga o instinto à prática do crime para alcançar a riqueza fácil. A mala verde do ourives cheia de ouro era a esperança de uma vida farta.
Começava a sentir-me desiludido com o chefe. E era tempo perdido continuar a inquirição. Era poço sem água. Olhei o relógio. Ainda tinha tempo de dar um salto ao poço grande antes do almoço. Talvez uma barrigada de fome até à chegada do chefe. Pedi ao aristocrata emproado que me arranjasse umas galochas, por amor aos sapatos que eu calçava. E pedi-lhe, também, em tom imperativo, que me acompanhasse ao local do crime. Pareceu satisfeito com a minha decisão, pois declarou que tinha muita curiosidade em saber como se investiga um crime.
Não chovia, felizmente, e o vento frio reduzira-se a um sopro cansado. Percorri caminhos vicinais, carreiros de cabras e de burricos. Alexandre gabava-se de pertencerem todas essas terras em redor à quinta da Murteira.
A terra e tudo o que nela mexe, desde os bichinhos às pessoas acrescentou, inchado de fidalguia.
Absorvi a imagem agreste dos campos de cultivo, terrenos afogados e outros em pousio invernoso. E espantei-me com a corajosa tenacidade de humildes camponeses teimando em arrancar da terra o milagre do sustento. Vidas secas encharcadas no chão da fome. E chegou-me à memória a abertura do romance Casa na Duna: «Na gândara há aldeolas ermas, esquecidas entre pinhais, no fim do mundo. Nelas vivem homens semeando e colhendo, quando o estio poupa as espigas e o inverno não desaba em chuva e lama. Porque então são ramagens torcidas, barrancos, solidão, naquelas terras pobres.» Saberia o inspetor Gaspar que eu já tinha lido este romance de Carlos de Oliveira? E se esta era a realidade do chão português, exposto aos olhos do mundo, que crime político cometia a literatura que nesta paisagem física e humana se inspirava? Porquê tanto medo da arte? Respostas que a minha idade e a minha experiência de vida ainda não alcançavam, apesar de ser um estagiário da PIC.
Chegámos ao poço grande, imponente com a nora ao centro, mergulhada no espelho de água que transbordava. Cumprimentei o agente da GNR e o camponês, enquanto o Alexandre, ignorando-os, se debruçou sobre uma capa de oleado e destapou o cadáver. Uma papa de sangue alastrava, mais coalhada no rombo visível no parietal direito, sinal da forte pancada de que fora vítima. O infeliz estava morto e limpo de vestígios forenses, já não tinha qualquer utilidade para a investigação. Disse ao GNR para diligenciar a remoção do cadáver. Nesta altura, o neto do barão da Murteira, apontando um casebre à distância de uns seiscentos metros, informou-me de que era a habitação dos Sorna. Perguntou ao caseiro, o homem que fizera companhia ao agente, se tinha visto o Arménio Sorna. Resposta negativa. E logo me sugeriu uma visita a essa gente; de certeza que uma busca aturada, mesmo sendo como agulha em palheiro, seria bem-sucedida com a descoberta de uma prova irrefutável. E eu teria ainda a possibilidade de espremer a verdade ao Arménio Sorna com uns açoites bem dados.
Sem comentários, fingindo não o ter ouvido, encaminhei-me para o casebre, com eles a seguir-me como dois cães rafeiros. O casebre era a expressão da mais extrema pobreza: adobos em cima de adobos a segurarem uma porta e uma janela. A habitação prolongava-se por um alpendre e por currais. Bati à porta. Uma, duas vezes. Abriu-se devagar, a medo, e uma moça assomou à minha frente. Tive dificuldade em ocultar o meu espanto. Sem palavras, extasiava-me a olhar a figura grácil que me enchia os olhos. A indumentária era simples e asseada; mas o verdadeiro encanto era a elegância corporal e o rosto trigueiro, no qual resplandecia uma beleza indizível que eu nunca vira na minha vida. Uma beleza que se mantinha intacta apesar das lágrimas que lhe escorriam pelas faces. Associei o choro ao ourives louro, jovem como ela, e depressa concluí que junto ao poço jazia o amor da sua vida. Apresentei-me e pedi educadamente para fazer umas buscas, depois de ela ter dito que os pais andavam a trabalhar no campo e que o irmão tinha ido a Febres, de bicicleta, dar a triste notícia aos familiares do seu namorado.
Vasculhei o interior da pobre habitação enquanto os outros, como furões, se infiltraram nos anexos. Nada descobri. Entabulei conversa com a moça, Olinda de sua graça. De queixume em queixume, de lágrima em lágrima, lamentou o azar do namorado, ourives de Febres, ambulante no negócio de compra e venda de ouro; e também o seu azar, que dele só lhe restava o anel que tinha no dedo, prenda do último aniversário. E que não pensasse ele que ia ceder aos seus desejos; nem morta! Nesta passagem, fiquei com o pensamento baralhado. O que Olinda afirmava não fazia qualquer sentido. Como poderia ceder ao desejo de um cadáver? Teria ficado tresloucada com o desgosto?
Nunca serei do Alexandre, nem coberto com todo o ouro do mundo!
Terminou a frase no instante em que o aristocrata chegava até nós, eufórico, sorridente, com uma mala verde nas mãos.
Aqui está a prova! E ofereceu-me a mala como se fosse um troféu de caça.
Coloquei-a em cima de uma cadeira, levantei a tampa e examinei minuciosamente o interior vazio e amplo, cujos cartões haviam desaparecido, assim como todas as peças de ouro e prata: anéis, pulseiras, alianças, fios, correntes, relógios. Verifiquei que a mala era feita de folha-de-flandres. E descobri, pormenor importantíssimo, uma pequena mancha de sangue a macular o lastro. Meti o nariz no fundo da mala e cheirei a nódoa: sangue fresco.
Então, precisa de mais provas?
Não, isto é tudo o que preciso. Vamos embora. Está na hora do almoço.
Fizemos o caminho de volta à quinta. Quando passámos pelo poço grande, já não havia cadáver; apenas um chapéu, sujo de lama, esquecido no chão, e a bicicleta do ourives tombada. Alexandre mostrou-se muito solícito. No solar, depois de eu calçar os sapatos, quis que o acompanhasse à mesa. Recusei. Fui direto à taberna, onde me consolei com uns carapaus em molho escabeche, broa de milho e um pichel de tinto. No fim, pedi à velhota que me fizesse uma chávena de café bem quente. Entretanto, fui ordenando as ideias. Queria estar preparado quando o inspetor Gaspar chegasse de Aveiro. Estava ansioso, mas tive de esperar mais duas horas, que preenchi com passeios pelas redondezas, enchendo os olhos com a paisagem gandaresa.
Eram quatro horas da tarde quando ouvi o roncar do carocha.
Então, menino, deste conta do recado?
Na viagem de regresso a Coimbra, apresentei-lhe o meu relatório oral e o caso resolvido.
A pancada foi no parietal direito, dada por um canhoto. Alexandre é canhoto, tive a oportunidade de o confirmar: segura a cigarrilha com a mão esquerda. A análise ao sangue vai comprovar que o assassino é o neto do barão da Murteira. Matou o ourives por ciúmes, para se apoderar da pobre moça, sabe-se lá com que fins, que tem uma beleza que seduz um santo.
O meu chefe coçou a cabeça. Comentou que estava um tempo de caca, mas desta vez não abriu a botija de gás. Isto motivou-me para continuar com as minhas reflexões.
Já viu, chefe, do que estes fidalgotes rurais são capazes? Até parece que estamos na Idade Média. Que nojo!
Acendeu um cigarro, expeliu o fumo demoradamente e opinou:
Andas a ler muito, menino. Os romances vão ser a tua perdição. Vais ter uma vida de caca.


 
O inspetor Gaspar, instado por mim acerca do resultado da análise ao sangue, adiava sempre uma resposta esclarecedora e convincente. Pedia-me que esquecesse o caso, que me concentrasse na conclusão do estágio, pois já tinha a prova real da minha competência. Ameacei-o com a desistência do curso se o culpado não fosse incriminado. Chegou-se a mim, paternalmente, pôs o braço pesado sobre o meu ombro, e cochichou no meu ouvido:
Rapaz, nesta vida, as coisas nem sempre podem ser como a gente quer. Esquece o assunto. O caso vai ser arquivado por falta de provas. Ninguém será condenado. Amanhã, a vida será a vida que sempre foi naquela terra.

Não concluí o estágio para agente da Polícia de Investigação Criminal, que meses depois passou a designar-se por Polícia Judiciária. Não queria ser um polícia de caca. Arranjei emprego como escriturário, dediquei-me à leitura de romances perigosos e acabei por casar com a Olinda.

Autor do romance: